© Orgulhosamente criado por Instituto Hoju

  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon
  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Google+ Social Icon
 

O Instituto Hoju, um levante da comunidade preta em prol da emancipação do povo preto, iniciou em 2016 uma jornada de formação de produtores, ativistas socioculturais, professores, moradores de favelas e periferias em História Geral da África. São 8 módulos no total, com duração de 12 a 18  aulas cada módulo.

 

Nossa história não começou agora. Desde 1998 atuamos dentro das favelas do Estado do Rio de Janeiro, resgatando a memória afro-indígena de nosso povo em prol da elevação a autoestima e nossa comunidade.

 

O Instituto Hoju, um levante da comunidade preta em prol da emancipação do povo preto, iniciou em 2016 uma jornada de formação de produtores, ativistas socioculturais, professores, moradores de favelas e periferias em História Geral da África. São 8 módulos no total, com duração de 12 a 18  aulas cada módulo.

 

Nossa história não começou agora. Desde 1998 atuamos dentro das favelas do Estado do Rio de Janeiro, resgatando a memória afro-indígena de nosso povo em prol da elevação a autoestima e nossa comunidade.

 

A disciplina tem como objetivo primordial empreender uma reflexão sobre a História da África sob uma perspectiva afrocentrada no âmbito da crítica cultural, buscando base de referências de catedráticos estudiosos sobre a cultura africana descolonial.

 

Propõe-se a leitura e discussão de alternativas analíticas  que possam, por um lado,  contribuir para o deslocamento ou a desconstrução de visões instituídas da africanidade, seja como dispositivos de conhecimento e controle (a exemplo das práticas e saberes coloniais), seja como suportes das separações e discriminações raciais e sociais que persistem; por outro lado,  possam igualmente contribuir para potencializar estratégias de reversão e de empoderamento de populações e espaços subalternizadas.  

A disciplina tem como objetivo primordial empreender uma reflexão sobre a História da África sob uma perspectiva afrocentrada no âmbito da crítica cultural, buscando base de referências de catedráticos estudiosos sobre a cultura africana descolonial.

 

Propõe-se a leitura e discussão de alternativas analíticas  que possam, por um lado,  contribuir para o deslocamento ou a desconstrução de visões instituídas da africanidade, seja como dispositivos de conhecimento e controle (a exemplo das práticas e saberes coloniais), seja como suportes das separações e discriminações raciais e sociais que persistem; por outro lado,  possam igualmente contribuir para potencializar estratégias de reversão e de empoderamento de populações e espaços subalternizadas.  

METODOLOGIA

 

O curso é pautado na Programação Neuro-Linguística. A exibição audiovisual e iconográfica são ferramentas essenciais para as discussões baseadas nos na leitura prévia de autores e textos selecionados, organizados em módulos temáticos, privilegiando-se as contribuições de Diop, Ki-Zerbo, M’Bokolo, Mbembe,  outros.  

 

OBJETIVO GERAL

 

Fornecer aos participantes fontes com reconhecimento histórico científico,  que contam a História do Continente Africano e suas contribuições a historiografia geral da humanidade. Promover a difusão da História Geral da África a fim de constituir base de elaboração de conteúdos para produção cultural em suas mais diversas linguagens artísticas: literatura, audiovisual, artes cênicas, música, dança, artes visuais, gastronomia, eventos, dentre outros.

METODOLOGIA

 

O curso é pautado na Programação Neuro-Linguística. A exibição audiovisual e iconográfica são ferramentas essenciais para as discussões baseadas nos na leitura prévia de autores e textos selecionados, organizados em módulos temáticos, privilegiando-se as contribuições de Diop, Ki-Zerbo, M’Bokolo, Mbembe,  outros.  

 

OBJETIVO GERAL

 

Fornecer aos participantes fontes com reconhecimento histórico científico,  que contam a História do Continente Africano e suas contribuições a historiografia geral da humanidade. Promover a difusão da História Geral da África a fim de constituir base de elaboração de conteúdos para produção cultural em suas mais diversas linguagens artísticas: literatura, audiovisual, artes cênicas, música, dança, artes visuais, gastronomia, eventos, dentre outros.

PÚBLICO-ALVO

 

Negros e Negras: professores, produtores, ativistas, educadores e gestores culturais;  moradores de favelas e periferias do Estado do Rio de Janeiro que façam parte de equipes de criação de conteúdo,  e ou modelagem de projetos culturais/educacionais em qualquer forma de linguagem artística.

 

O curso é coordenado pela Antropóloga Marina Miranda que faz parte do Laboratório de Etnografia e Estudos em Comunicação, Cultura e Cognição - LEECCC/UFF . Pesquisadora do racismo cognitivo, estudou biomedicina na UERJ e coordenadora do Centro de Estudos e  Pesquisa Africana, Afro-diaspórica e Afro-brasileira  do Instituto Hoju,  Atualmente orienta o grupo de estudos da Sociedade  Matriarcalista Afrikana e o GT sobre filosofia africana enredo "Senhoras do Ventre do Mundo", Salgueiro 2018.

HISTÓRIA GERAL DA ÁFRICA

O Curso de História Geral da África é coordenado por Marina Miranda, Gando do Instituto Hoju, Coordenadora do CEPAAA, Professora de Estudos em Cognição , Comportamento e Racismo. Faz parte da equipe do LEECCC/UFF.

Voltar ao Topo

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now
Nossa primeira turma de HGA no Rio Criativo